CTB: Resistir ao retrocesso

In Destaque, Notícias

A eleição de Jair Bolsonaro em 28 de outubro significa a continuidade e o aprofundamento do golpe de Estado de 2016, que inaugurou no Brasil uma era de retrocesso para a democracia, a soberania, o desenvolvimento nacional e os direitos e conquistas da classe trabalhadora.

Um capítulo decisivo deste golpe, que abriu caminho à vitória da extrema direita, foi a prisão injusta do ex-presidente Lula. O maior líder popular da nossa história teria vencido o pleito provavelmente já no primeiro turno, mas teve sua candidatura interditada e foi impedido até de ser entrevistado.

Bolsonaro contou com o forte apoio do empresariado, inclusive com o financiamento ilegal de sua bilionária campanha de mentiras no Whatsapp, é o político das classes dominantes, que prometeu implantar a agenda dos banqueiros, dos latifundiários, das multinacionais e da Casa Branca. É eloquente o fato de ter prestado juramento à bandeira dos EUA e jurado lealdade a Donald Trump em Miami. Ele quer aprofundar a obra de restauração neoliberal iniciada por Temer.

No plano econômico acena com a radicalização da política fiscal, preservando o congelamento dos gastos e procurando zerar o déficit público primário, que neste ano deve ficar em torno de R$ 150 bilhões. Isto significa cortes ainda maiores nos investimentos em saúde, educação, habitação e infraestrutura, além de arrocho para o funcionalismo. Anuncia novas privatizações, uma reforma da Previdência igual ou pior do que a proposta por Temer, bem como uma nova carteira de trabalho sem as garantias da CLT, com os termos do contrato sendo negociados diretamente entre patrão e empregado.

No plano político é uma temeridade maior. Bolsonaro apoia a tortura, já homenageou um notório torturador, disse que vai enquadrar organizações como o MST e MTST na Lei Antiterrorista, pregou o fim dos sindicatos e sugeriu que a oposição terá três caminhos: a capitulação, a prisão ou o exílio. É uma óbvia ameaça à democracia.

A classe trabalhadora e o movimento sindical devem organizar desde já a resistência e, ao mesmo tempo, trabalhar pela construção da mais ampla frente democrática para lutar contra o arbítrio, defender a aposentadoria, a CLT e o SUS, a soberania, a liberdade e o desenvolvimento nacional.

São Paulo, 29 de outubro de 2018

ADILSON ARAÚJO, presidente da CTB

Portal CTB

You may also read!

FEEBBASE COMPLETA 50 ANOS NESTA SEXTA-FEIRA

Era 16 de novembro de 1968, quando representantes dos sindicatos dos bancários da Bahia, Sergipe, Feira, Ilhéus, Itabuna e

Read More...
Cena do filme "Tempo Modernos", de Charles Chaplin. Imagem: wikimedia commons

A lição de Henry Ford: empregado não é colaborador, é empregado

Uma reflexão para quem quer negar o inafastável conflito de classe no Direito do Trabalho.   Não duvido que em algum

Read More...

Procuradoria do trabalho orienta para validade de contribuição sindical a quem não é sindicalizado

Anaïs FernandesLarissa Quintino SÃO PAULO O Ministério Público do Trabalho emitiu uma nota técnica na última sexta-feira (26) reconhecendo a validade

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu