CTB: Resistir ao retrocesso

In Destaque, Notícias

A eleição de Jair Bolsonaro em 28 de outubro significa a continuidade e o aprofundamento do golpe de Estado de 2016, que inaugurou no Brasil uma era de retrocesso para a democracia, a soberania, o desenvolvimento nacional e os direitos e conquistas da classe trabalhadora.

Um capítulo decisivo deste golpe, que abriu caminho à vitória da extrema direita, foi a prisão injusta do ex-presidente Lula. O maior líder popular da nossa história teria vencido o pleito provavelmente já no primeiro turno, mas teve sua candidatura interditada e foi impedido até de ser entrevistado.

Bolsonaro contou com o forte apoio do empresariado, inclusive com o financiamento ilegal de sua bilionária campanha de mentiras no Whatsapp, é o político das classes dominantes, que prometeu implantar a agenda dos banqueiros, dos latifundiários, das multinacionais e da Casa Branca. É eloquente o fato de ter prestado juramento à bandeira dos EUA e jurado lealdade a Donald Trump em Miami. Ele quer aprofundar a obra de restauração neoliberal iniciada por Temer.

No plano econômico acena com a radicalização da política fiscal, preservando o congelamento dos gastos e procurando zerar o déficit público primário, que neste ano deve ficar em torno de R$ 150 bilhões. Isto significa cortes ainda maiores nos investimentos em saúde, educação, habitação e infraestrutura, além de arrocho para o funcionalismo. Anuncia novas privatizações, uma reforma da Previdência igual ou pior do que a proposta por Temer, bem como uma nova carteira de trabalho sem as garantias da CLT, com os termos do contrato sendo negociados diretamente entre patrão e empregado.

No plano político é uma temeridade maior. Bolsonaro apoia a tortura, já homenageou um notório torturador, disse que vai enquadrar organizações como o MST e MTST na Lei Antiterrorista, pregou o fim dos sindicatos e sugeriu que a oposição terá três caminhos: a capitulação, a prisão ou o exílio. É uma óbvia ameaça à democracia.

A classe trabalhadora e o movimento sindical devem organizar desde já a resistência e, ao mesmo tempo, trabalhar pela construção da mais ampla frente democrática para lutar contra o arbítrio, defender a aposentadoria, a CLT e o SUS, a soberania, a liberdade e o desenvolvimento nacional.

São Paulo, 29 de outubro de 2018

ADILSON ARAÚJO, presidente da CTB

Portal CTB

You may also read!

Eleição da Diretoria do Sindicato dos empregados no Comércio de Irecê e Região

O SECIR (Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras do comercio de Irecê e Região) vem convidar todos os seus filiados

Read More...

Até trabalho intermitente é atacado por Bolsonaro

O governo Bolsonaro não dá trégua para o trabalhador. Quando encontram um escape diante do desemprego, são abatidos de

Read More...

Curso de operador de supermercado e dado início em parceria com o SECIR.

Aconteceu no dia 19 de agosto, a abertura do Curso de Operador de Supermercado, no auditório do SECIR. O

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu